Star Wars - O lado burro da força

Star Wars – O lado burro da força

A má ideia

Recusar-se a produzir o filme que irá lançar uma das maiores franquias mais bem sucedidas dá história do cinema mundial.

Os gênios por trás dela

Os Bambambãs de praticamente todos os estúdios de Hollywood.

A sacada aconteceu em: 1976. Resumo dá Opera

No Mundo de Hollywood, com seus chafarizes de água mineral gasosa, termos de 3 mil dólares e tiradas do tipo: minha massagista vai ligar para a sua, dizer Sim a uma proposta é uma atividade de alto risco. Se o filme afundar, você pode perder o emprego (a massagista, então, nem se fala).

Por isso, não é nenhuma surpresa que praticamente todos os estúdios que se prezem tenham uma única palavra a dizer a Gorge Lucas quando ele os visita para exibir seu modesto filminho de ficção científica com o tímido nome Star Wars – e que essa palavra seja um redondo, um sonoro, um jabbaesco Não!

De mal a pior

Sem deixar abater (nem de bater de porta em porta), Lucas persevera. Quebrado e precisando trabalhar depois que a Universal inicialmente se recusou a lançar seu American Graffiti (feito com um orçamento de menos de 1 milhão de dólares, chegou a alcançar uma bilheteria de 118 milhões). Lucas procura a United Artist com sua ideia para uma “aventura espacial”. Eles recusam. A Universal faz o mesmo. E outras só engrossam o coro do “Nananinanao, Georginho…”.

Deu no que deu

Desesperado, ele exibe American Graffiti para Alan Ladd Jr., presidente da 20th Century Fox. Ladd adora o filme é pergunta ao Lucas se por acaso não teria outras ideias para futuras produções.

Lucas então o apresenta a Luke, Leia, Han, Chewbacca, R2-D2 e todos os outros personagens de Star Wars que hoje fazem parte do folclore do cinema. Ladd termina concordando em produzir o filme, que rende 800 milhões de dólares só de bilheteria. Star Wars também fatura 7 Oscars em 1977, além de criar o modelo de filme de verão nos EUA. Isso, claro, para grande desgosto de todos os demais estúdios que o recusaram.

Reflexões posteriores

Outros filmes que tiveram uma alta bilheteria (além de rendimentos em outras áreas) e que foram recusados pelos estúdios de ponta:

  • AVATAR – 2009: 2,7 bilhões.
  • Titanic – 1997: 1,8 bilhão.
  • O senhor doas Anéis – Trilogia: 3,3 bilhões.
  • Homem Aranha – Trilogia: 2,5 bilhões.
  • De volta para o futuro – Trilogia: 1,1 bilhão.
  • E.T – 1982: 792 milhões.

O que acharam? Não esqueçam de comentar e compartilhar esta publicação para os seus amigos e curiosos!

Até a próxima!


 

Music Business

About The Author

Bianca Santos

Bianca Ferreira, Carioca, 17 anos. Técnica em Mecatrônica.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.